Por que o negócio social é o elo ausente do capitalismo

Por que o negócio social é o elo ausente do capitalismo

good-business-weber.jpg

Em 2007, tive a oportunidade de trabalhar comMuhammad Yunus em seu livroCriando um mundo sem pobreza (Assuntos Públicos). Yunus, é claro, é o economista de Bangladesh que fundouBanco Grameen, ajudou a lançar a revolução do microcrédito e foi co-vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 2006.

Agora, uma força crescente em todo o mundo,microcrédito fornece às pessoas pobres acesso a uma das necessidades humanas mais básicas: capital. Ao fazer empréstimos pequenos e sem garantia de vinte, cinquenta ou cem dólares, o Grameen Bank e instituições similares possibilitam que uma mulher sem nada comece ou expanda um negócio simples – criando galinhas, tecendo cestas, descascando arroz. Para dezenas de milhões de famílias, esse ato modesto proporcionou um caminho permanente para sair da pobreza.

O microcrédito é uma ferramenta importante para o desenvolvimento econômico que merece maior apoio da comunidade mundial.Mas o microcrédito sozinho não resolverá os enormes problemas não resolvidos que nossa família humana enfrenta. Outras ferramentas são necessárias, e entre elas está uma nova ideia que Yunus chama negócios sociais.

Para a maioria de nós, negócios significam um tipo de organização — a empresa com fins lucrativos que é a espinha dorsal do sistema de livre empresa. Variando em tamanho de uma loja de esquina de uma pessoa a uma corporação gigante como o Wal-Mart, essas empresas reconhecem um propósito fundamental: maximizar os lucros. Com certeza, eles criam outros benefícios ao longo do caminho: empregam trabalhadores, fornecem bens úteis e pagam impostos. Mas o resultado final é, precisamente, a linha de fundo — os lucros gerados para proprietários e acionistas.

A teoria econômica clássica não reconhece outro tipo de negócio. Na verdade, ele mal reconhece qualquer outro motivo humano. A economia tradicional pressupõe, de fato, que as pessoas são máquinas de fazer dinheiro, dedicadas exclusivamente ao lucro pessoal.

Mas todos sabemos que isso é um quadro incompleto da natureza humana. As pessoas são impulsionadas pelo motivo do lucro, da cousa. Mas eles são movidos por muitas outras forças também. Entre eles estão o desejo de fazer o bem pelos outros, de ajudar os necessitados, de tornar o mundo um lugar melhor — na verdade, resolver todos os problemas não resolvidos que desafiam a humanidade em todo o mundo.No entanto, o capitalismo de hoje é impotente para agir de acordo com esses motivos, porque não faz lugar para eles.

O resultado é um enorme vazio em nossos sistemas sociais e econômicos — um vazio que o negócio social pretende preencher.

Ao contrário de uma ONG ou de uma instituição de caridade, uma empresa social produz bens e serviços, os vende por um preço justo, compete no mercado para clientes e se esforça para cobrir seus custos através das receitas geradas. Mas, ao contrário de um negócio tradicional que maximiza o lucro, existe para servir um objetivo social: alimentar os famintos, abrigar os sem-teto, prestar cuidados de saúde para os doentes ou limpar o meio ambiente. Além disso, não gera lucros. Em vez disso, qualquer excedente gerado volta para o negócio, permitindo que ele atenda mais clientes e expanda os benefícios que ele oferece. Daí esta definição simples de um negócio social: um negócio sem perdas, sem dividendos, com objetivo social.

Um negócio social difere de uma instituição de caridade de várias maneiras. Mais importante, o dólar de caridade é gasto uma vez, e depois desaparece. Mas o dólar empresarial social pode ser reciclado infinitamente. Toda vez que um negócio social fornece um bem ou serviço a um cliente, ele gera renda que pode ser usada para atender outro cliente. Assim, como qualquer negócio bem administrado, um negócio social bem administrado pode se expandir indefinidamente. Libertado da dependência de doações de caridade, um negócio social é ilimitado em seu alcance — e no bem que pode fazer.

É por isso que, ao contrário do que você pode assumir, muitas pessoas estarão ansiosas para investir em negócios sociais. Afinal, inúmeras pessoas hoje dão a instituições de caridade ou iniciam fundações. Essas mesmas pessoas serão motivadas a financiar negócios sociais. Assim como empresas com fins lucrativos cujos proprietários ou funcionários querem expressar o “outro lado” de suas naturezas humanas fazendo algo de bom para seus companheiros humanos.

O negócio social é mais do que uma teoria. É uma realidade prática. No meu próximo post, descreverei algumas das primeiras experiências com negócios sociais que Yunus e seus colegas do Grameen Bank têm sido pioneiros.

Karl Weber é um escritor e editor freelancer que se concentra em tópicos em política empresarial e social. Seus livros incluem The Triple Bottom Line (em co-autoria com Andrew W. Savitz; Wiley, 2006) e The Upside: The Seven Strategies for Turning Big Threats Into Growth Breakthroughs (com Adrian J. Slywotzky; Crown, 2007).

 

Related Posts